• Aldomar de Castro

Gado

GADO

Uma das riquezas brasileiras, em especial do Rio Grande do Sul, é o gado. Fonte de alimento para suprir necessidades proteicas da população, que foi envolvida pela cultura sulina de ter como prato principal, o churrasco. Muito embora o churrasco não seja privilégio nativo do Rio Grande do Sul. A História nos informa que 900 anos a. C., Homero descreve uma festa que Aquilles oferecera a Ájax e, nesta descrição consta o churrasco assado em espeto ao calor do fogo, fato, segundo a citação, assistido por Pátroco. Quando a senhora Ana Pimentel, esposa de Martim Afonso de Souza, donatário da Capitania de São Vicente, importou de Portugal em 1534, algumas cabeças de gado, talvez não imaginasse que se propagaria ate Piratininga, para dessa localidade, algumas serem transportadas para Assunção, no Paraguai, pelos irmãos Cipião e Vicente Gois por determinação do Capitão espanhol Juan de Salazar de Espinñosa, que em 1555 regressara para aquela localidade de onde viera. Os irmãos Gois conduziram até a Capital do Paraguai sete vacas e um touro, as tradicionalmente chamadas “vacas de Gaete”. O Paraguai aumentou cosideravelmente seu rebanho com gado procedente do Peru. No ano de 1634 o Pe. Cristóvão de Mendoza Y Orellana acompanhado de índios Guaranis, chefiados pelo morubixava Guaiamica tropearam do Sul do Paraguai para o Noroeste do Rio Grande do Sul, mil e quinhentas cabeças de gado, com a finalidade de abastecer as primeiras Reduções do período inicial 1626. Esta tropa foi distribuída por quinze povos, cada um recebeu noventa e nove vacas e um touro. Desta forma realizou-se a primeira tropeada na nossa Querência, dando início ao tropeirismo e, imediatamente o tradicionalismo, as lides, o manuseio do gado nos criatórios fez com que aumentasse, consideravelmente o número de rezes até surgirem grandes rebanhos, a maioria chimarrão, os quais formavam as Vacarias dos Pinhais, quando em pleno desenvolvimento foi assaltada por bandeirantes paulistas levando grande parte do gado. Os jesuítas arrebanharam o que sobrou e rumaram para o Sul, lá constituindo as Vacarias do Mar. Novamente foram devassados por preadores. .Sem desistir do empreendimento, constituíram a Estância do Yapeyu (japeju), o que alguns autores consideram Vacarias do Uruguai. As vacarias eram consideradas bem comum “avambaé”, funcionavam como cooperativa, procedimento que os jesuítas aculturaram e aperfeiçoaram dos Guaranis onde todos trabalhavam em prol da comunidade. As vacarias tiveram grande expansão até o Tratado de Madrid, em 1750. Portugal entrega a Colônia do Sacramento para a Espanha e esta entrega a Portugal os Sete Povos, tendo este procedimento desmobilizado o trabalho comum dos tuxauas guaranis ficando o gado ao bel-prazer dos faeneros, dos preadores, e mais tarde dos changadores constituídos por gaudérios], desertores, índios, charruas e outros. Mesmo assim muitos hábitos continuaram ativos, tais como o emprego das boleadeiras, do laço, do xiripá e tantos outros. Destes, os mesmos hábitos passaram para os portugueses que entregaram aos imigrantes, que os adequaram as necessidades hodiernas para uma produção mais apurada, com menor esforço e maior produtividade. Esta minúscula informação, sobre a origem do gado no Rio Grande do Sul que exigiu a presença do ofício de tropeiro, não pode desconhecer a participação de Francisco de Souza Faria que em 1727 começou abrir um caminho denominado estrada dos conventos que diminuiria consideravelmente a distância entre a Colônia do Sacramento e o povoado de Laguna que consumia setenta adias. A estrada dos Conventos iniciava na foz do Ararangua e subia até onde o atual município de Lajes. Este empreendimento não chegou a ser concluído. Mais tarde, o jovem lusitano Cristóvão Pereira de Abreu em 1730 -32 com o auxilio do Padre-Mestre Diogo Soares, cartógrafo mandado pelo Rei para mapear a região, conseguiu concluir a Estrada dos Conventos que ligava os Campos de Viamão a Lajes e por ela começaram tropear castelhanos, preadores e tropeiros. Inclusive o próprio Cristóvão Pereira em 1732 conduziu uma tropa composta de aproximadamente, de três mil animais, até a feira de Sorocaba em São Paulo. Por ordem de Gomes Freire de Andrade, o tropeiro Cristóvão Pereira de Abreu abriu o caminho das tropas para as Missões ligando Laguna a região missioneira pelas localidades de Bom Jesus, Vacaria, Lagoa Vermelha, Passo Fundo, Carazinho, Cruz Alta e Palmeira das Missões. Estes pioneiros da lida com o gado deixaram para nossos estancieiros a marca da persistência e bravura. Hoje com a evolução tecnológica, o manuseio de animais é completamente diferente do daqueles tempos, mas se não fosse todos estes acontecimentos não estaríamos realizando projeções folclóricas e tradicionais nas nossas Festas Campeiras, promovidas e preservadas pelo Movimento Tradicionalista do rio Grande do Sul.

NOVA DE ABRIL DE 2008.

CALTARS – “TO”.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

REFLEXÃO

O mundo é um complexo de seres, Que um sempre depende de outro. Ninguém consegue viver neutro, Para desenvolver seus afazeres. Há relacionamento entre poderes, Que forma uma fiel dependência. Longínqu

PIXURUM

P I X U R U M Tenho setenta e nove  anos de idade, sou filho de pequeno agricultor nascido e criado no município de Sobradinho, assentado na região centro-serra do Estado do Rio Grande do Sul, até os

CAPA RURAL

O PONCHO USADO NO PAMPA, DE COR AZUL OU CINZENTA. COM BAETA RETOVADA, NESTE ESTILO SE ESTAMPA. CIRCULAR COMO UMA TAMPA, COM  UMA ABERTURA CENTRO. O USUÁRIO FICA POR DENTRO, COM MOVIMENTO RESTRIT