• Aldomar de Castro

Estampa de uma Época

CONTEMPLANDO O FIRMAMENTO,

ME ANIMO FALAR SOBRE O PAGO.

TRANQUEANDO A IDADE QUE TRAGO,

OS VISTOS, OS FEITOS E INVETOS.

ANDANÇAS E PROCEDIMENTOS,

QUE NÃO EXISTEM MAIS POR AQUI.

FOI CONHECENDO QUE EU RESOLVI,

PAJAR ESTAMPANDO O ANTANHO.

PARA QUE SAIBAS DE QUE TAMANHO,

E O QUE TINHA, O IMPÉRIO GUARANI.

O TAMANHO ERA O MESMO VOLUME,

QUE HOJE ARRINCONA ESTA GENTE.

MAS… ERA MUITO DIFERENTE,

OS NOSSOS HÁBITOS E COSTUMES.

OS CAMPOS NÃO TINHAM TAPUMES,

NEM ALAMBRADOS OU DIVISAS.

SÃO REFERÊNCIAS MUI PRECISAS,

DA ORIGEM DA NOSSA QUERÊNCIA.

MESMO XUCRA JÁ ERA POTÊNCIA,

CONFORME REVELAM PESQUISAS.

CONTINENTE DO RIO GRANDE,

COM SÃO PEDRO DE PADROEIRO.

OS JESUITAS CHERAM PRIMEIRO,

TRAZENDO GADO QUE EXPANDE.

EM QUALQUER LUGAR QUE ANDE,

MANADAS ENCHIAM OS CAMPOS.

MASCLANDO-SE COM PIRILAMPOS,

PARA HARMONIZAR A PAISAGEM.

MANTÉM DE PÉ SUA MENSAGEM,

GRAVADA NOS QUATRO CANTOS.

O TRABALHO ERA MAIS DURO

E O POVO MUITO MAIS FELIZ.

PLANTARAM AQUI SUA RAIZ,

COM VISÃO PARA O FUTURO.

AS RAÇAS DE SANGUE PURO,

POVOARAM O PAMPA SULINO.

CHEGARAM AQUI PEREGRINOS,

E ACULTURARAM COSTUMES.

CADA UM DIZ E ASSUME,

AQUI DIXOU DE SER TEATINO

CRESCENTE DE MARÇO, 2003

CALTARS – “TO”

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

PEDIDO DE AMIGO

AQUI NO PAMPA O CAVALO, É O COMPLEMENTO DO CAMPEIRO. INCONSCIENTE FIEL ALDRABEIRO, ARREMATANDO O QUE FALO. SÓ O DONO PODE ENCILHÁ-LO, POR TRADIÇÃO E RESPEITO. NUNCA FORMA PRECONCEITO, CAMPÔNIO

Avejão

GUARDIÃO DO ESPAÇO NATIVO, QUE A MÃE NATUREZA EMPRESTA. ENCONTRO SEMPRE UM MOTIVO PARA CONSERVAR O QUE RESTA, NESTES PAGOS AONDE EU VIVO, TEATINO NENHUM ME MOLESTA. ME CRIEI COM A BRISA PAMPEANA, VEND

Ascenso

NA TERRA DA ERVA MATE, NASCE UM TAURA MONARCA, JÁ CARREGAVA SUA MARCA, TEMPIANDO ACONTECIMENTOS. COM A SABEDORIA NOS TENTOS, RUMAVA PARA A UNIVERSIDADE. POIS SÓ FALTAVA OPORTUNIDADE, DE MOSTRAR SEU PO